Arquivo da categoria: Cervejas

CHEGOU! PROIBIDA PURO MALTE LEVE

proibida leve

Finalmente chega aos pontos de venda a tão esperada e polêmica Proibida Puro Malte Leve. Ela chega com um rótulo prateado o que facilita sua identificação dentre as outras cervejas da marca.

Com malte selecionada e um processo de lupulagem diferenciado, junto com a carbonatação normal, deram a cerveja uma sensação de frescor e suavidade no paladar. Em testes sensoriais, ela se destacou como uma cerveja pilsen leve, com retrogosto da puro malte, espuma cremosa e coloração dourada, sendo levada a um altíssimo grau de aprovação.

Não provou ainda?!

Vale muito a pena conferir…

Juliana Mazo

Tipos de Cervejas

tipos de cervejas

Bem, hoje vou falar sobre os principais tipos de cervejas e quais as diferenças entre elas.

 O que difere uma cerveja da outra?

É o tipo de fermentação que ela sofre.

As lagers são cervejas de baixa fermentação que ocorre em temperatura de 6 a 12 graus, têm o teor alcóolico em média entre 4 e 5% e as leveduras se concentram na parte baixa dos tonéis de fermentação. Representam os tipos de cerveja mais consumidos do mundo, no Brasil equivalem a 99% do mercado. Originárias da Europa central em meados do século XIX.

As Ales são fermentadas em temperaturas mais altas, entre 15 e 24 graus e as leveduras se concentram na parte alta dos tonéis, gerando com isso uma maior complexidade de aromas e de sabores, são chamadas cervejas de alta fermentação.

Eram os únicos tipos disponíveis de cerveja até meados do século XIX, quando surgiu a baixa fermentação, que proporcionou o surgimento das lagers.

As Ales sem sombra de dúvidas são cervejas muito mais complexas.

As Lambics são cervejas de fermentação espontânea, onde ocorre a ação das chamadas leveduras selvagens presentes no ar, cervejas levemente azedas, secas e ácidas podendo ser com sabores ou sem.

Originárias do sudoeste da Bélgica, são cervejas impressionantes e que apresentam uma história riquíssima.

Destaco abaixo algumas de minha apreciação.

·         LAGERS

Cerveja Tcheca Praga Pilsen: Uma legítima representante das pilsens da República Tcheca, seu caráter maltado equilibra-se muito bem com lúpulos específicos e seu amargor mediano e aroma floral.

Cerveja Alemã Warsteiner Dunkel: Cerveja escura que tem presença marcante do malte torrado, cremosa com notas de café e chocolate amargo tanto no aroma quanto no sabor.

·         ALES

Cerveja Belga Delirium Tremens: Considerada a melhor cerveja do mundo, impressiona pela sua complexidade no aroma e sabor, de cor dourada brilhante, com notas frutadas e cítricas fazem dessa cerveja uma das experiências mais impressionantes do mundo cervejeiro.

·         LAMBIC

Cerveja Belga Lindemans Framboesa: Fermentada através das leveduras selvagens locais, pode passar de um a dois anos em barris de carvalho, onde posteriormente suco natural de framboesa é acrescentado, apresentando características marcantes dessa fruta, dulçor pronunciado e leve acidez. Refrescante, sabor fresco, frutado e com sabor delicado.

Dentro desses três grupos, lagers, Ales e Lambic, temos diversos subtipos de cervejas, que fica quase impossível fazer toda a classificação, porém falarei sobre alguns destes em outra oportunidade…

 

Wellington Mercês

O que é Cerveja IPA?

cerveja ipa.fw

As cervejas extremamente amargas estão na moda, sim, elas realmente estão. É impressionante o quanto a popularidade e o consumo das IPAS tem aumentando no mundo todo, e também no Brasil. Tanto é que até temos por aqui um festival totalmente dedicado ao estilo em questão, o “Ipa Day”, que acontece todo mês de Agosto na cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, e já vamos para a quinta edição em 2016.
Mas vamos lá, o que é uma “cerveja ipa”? Em primeiro lugar tem que se deixar claro que as IPAS são cervejas de alta fermentação, são fermentadas em temperaturas mais altas que as “lagers” e tendo a ação das leveduras se dando na superfície, na parte alta dos tonéis. Ela faz parte da família das cervejas “Ales”.
A versão mais aceita pelos historiadores de cerveja diz que as IPAS surgiram quando a Inglaterra enviava cerveja aos seus soldados em serviço pela Índia (daí o nome Índia junto ao Pale Ale). Como a viagem durava aproximadamente dois meses e a cerveja costumava chegar estragada, teve se a ideia de colocar uma quantidade maior de lúpulo (pois ele age também como um conservante natural), afim de fazer com que a cerveja aguentasse a viagem e chegava até os soldados em bom estado. Deu certo, mas o que acontece mesmo quando se coloca uma carga maior de lúpulo numa cerveja? Quanto mais lúpulo, mais amargor. E assim, meio que por “acaso” surgiu um dos estilos de cerveja mais cultuados da atualidade.
Hoje temos no mundo todo diversos tipos de “Ipas” e diversas variações desse estilo, incrementadas pela utilização de vários tipos diferentes de lúpulos, sendo que dentre os mais conhecidos, temos os lúpulos Ingleses e os Americanos, cada tipo com suas especificidades e particularidades.
Além do alto amargor, podemos também perceber numa “Ipa” seus potenciais aromáticos impressionantes e sua cor dourada acobreada escura intensa.

Segue algumas deliciosas indicações:

Cerveja Americana Ballast Point Sculpin IPA 355ml – Cerveja que contém 8 tipos diferentes de lúpulo e pimenta habañero em sua fórmula. Extremamente aromática e apresenta uma gama de sabores diferenciados.
Cerveja Nacional Refrescadô De Safadeza Session IPA 300ml – Cerveja refrescante, clara, aromática com toques cítricos notas de biscoito. Na boca, o amargor é equilibrado.
Cerveja Escocesa Innis e Gunn IPA 330ml – Cerveja que tem adição de lúpulo 3 vezes durante a produção, apresentando com isso uma impressionante gama de aromas. Além disso é uma IPA que tem o diferencial de passar alguns meses envelhecendo em barrica de carvalho antes de ser engarrafada.
Cerveja Nacional Madalena Double IPA 600ml – Cerveja para lupulomaníaco nenhum botar defeito. Duplamente amarga, corpo médio e álcool bem pronunciado.

Bem, agora que conhecemos um pouquinho desse maravilhoso estilo, que tal tomarmos uma deliciosa “Ipa” enquanto relemos esse texto?

Proibida Puro Malte, a 6 Estrelas do Brasil

proibida_puro_malte

Quando pensamos em uma cerveja nacional, surgem várias opções a nossa mente. Mas quando o assunto é uma cerveja reconhecida por sua qualidade, as possibilidades diminuem e muito.

Se a pergunta então for qual a cerveja mais comentada nos últimos meses que é considerada a 6 estrelas do Brasil, um único nome vem a nossa mente: Proibida Puro Malte!

Seu encantamento se inicia pela “dificuldade” de encontrar nos pontos de venda. Um ponto assíduo de vendas dessa delicia de cerveja é o Empório Santa Joana e seu e-commerce www.lojadebebidas.com.br.

Passada essa dificuldade inicial, quando você degusta essa preciosidade, você esquece todas as dificuldades, pois as características de uma legitima Golden Lager são confirmadas…

Seu frescor acentuado (digna da sua receita alemã original), se origina da água pura e cristalina utilizada em sua fabricação. Seus lúpulos são vindos diretamente da Baviera, seu fermento importado de Munique e sendo 100% maltada em uma das mais modernas fabricas do Brasil, faz a Cerveja Proibida Puro Malte se tornar tão popular pelos seus consumidores.

Sua coloração dourada encantam quem a observa na taça, sua espuma densa e cremosa realça seu paladar encorpado. Harmonizando perfeitamente com todos os tipos de pratos, desde os leves, até os mais condimentados e picantes da cozinha brasileira.

Já provou? Ainda não?

Não perca essa oportunidade, vale muito a pena!

Juliana Mazo

 

Visão de homem – Dia Internacional da Mulher

dia da mulherE se em vez de dar flores eu lhe desse um vinho tinto?

Se em vez de chocolate a levasse a um churrasco e harmonizasse com uma cerveja IPA.

Se em vez do óbvio de um frasco de perfume brindássemos esse dia com duas taças de espumante? Tomaríamos cada gole com plena satisfação, como se não houvesse o amanhã.

Vinho branco alivia o calor e refresca nossas vidas e pensamentos nos transmitindo lucidez.

Vinho rosé, assim como as rosas não seriam nada mal para gritar, enaltecer e dizer que sim, elas podem, elas conseguiram e esse dia é delas, só delas, pois eis que todas as mulheres se fazem merecedoras. Por tudo que sofreram e ainda sofrem, por tudo que passaram e ainda passam e por tudo que ainda hão de conquistar.

Mulheres guerreiras, verdadeiras, batalhadoras e fortes, que não se rendem ao machismo ultrapassado e nem tentam esconder seus desejos e vontades, e fazem sim aquilo que querem e não precisam dar satisfação a ninguém, só a elas mesmas.

A elas, a todas elas eu abro a minha melhor cerveja, escolho o vinho mais especial da minha adega, corro até o empório e procuro o espumante mais difícil de encontrar, porque foi ela quem pediu, e eu faço com prazer e aguardo a minha vez.

Obrigado por existirem e por abrilhantarem o mundo a cada dia com a existência de vocês.

Um brinde as Mulheres!

Wellington Mercês

CAVALHEIRISMO X MACHISMO

cavalheirismoxmachismoO dia 8 de Março é o dia internacional da Mulher. Apesar de não ser comprovado, diz-se que o dia foi escolhido devido a uma manifestação numa fábrica pela igualdade de direitos em 1911, que foi reprimida tão violentamente que acabaram por trancar as trabalhadoras na dita fábrica e queimaram-na, tendo morrido 125 mulheres!

Apesar de hoje em dia não vermos situações extremas desse nível, as mulheres ainda têm uma longa luta a travar até conseguir a igualdade de direitos. Segundo as Organização das Nações Unidas, em média, uma mulher ganha 27% menos que um homem que exerça a mesma função!! Por isso a existência desta data e da necessidade de um dia para relembrar que ainda temos um longo caminho a fazer.

Eu sempre fiquei na dúvida entre o cavalheirismo e o machismo, principalmente no Brasil. Por exemplo, o homem pagar a conta nos primeiros encontros! Será machismo, será somente cavalheirismo? Isso acontecia antes porque a mulher não tinha a sua independência financeira, porque não tinha como pagar…e agora? O que aconteceria se, no primeiro encontro, depois de uma noite num bar, a mulher dissesse “Deixa que esta fica por minha conta”? Aposto que mesmo o garçon ia ficar olhando para o homem com cara feia. Entendem? Machismo, não cavalheirismo! Mesmo a abordagem de homens em bares, o pagar bebidas para mulheres, principalmente se estiverem sozinhas….novamente, imaginem a situação ao contrário, uma mulher pagar uma bebida a um homem que estivesse sozinho no bar…..qual seria a reação? Achar que ela estava sendo oferecida seria a primeira, sem dúvida alguma!

Enfim…

Temos um longo caminho para retirar esses pequenos “machismos” de nós mesmos, que são tão inconscientes que nem pensamos neles dessa forma… Então hoje seja diferente! Lute contra esse machismo! Ofereça vinhos e cervejas em vez de flores, empodere as mulheres da sua vida de outra forma! Cozinhem, lave a louça, faça massagem nos pés dela! E se saírem hoje, só hoje, deixaremos que paguem a conta!

Manu de Lima Gomes

Como tudo começou… Cerveja Pilsen

tipos-de-copos-cerveja

A Pilsen sempre foi o meu tipo favorito de cerveja. Mesmo quando eu ainda não sabia o nome desse estilo de cerveja, sempre considerei como meu gênero predileto. Sendo assim, resolvi pesquisar a fundo o assunto para tentar descobrir como surgiu essa paixão nacional, a nossa queridíssima “loira gelada”.

Apesar de atualmente ser o tipo de cerveja mais consumida do mundo, o estilo “Pilsen” surgiu relativamente tarde no universo cervejeiro. Foi precisamente em outubro de 1842, século XIX na cidade de Plzeň, na região da “Bohemia”, atual República Tcheca que a primeira Pilsen foi criada.

Por volta de 1830 havia um descontentamento geral por parte dos cidadãos Tchecos em relação a qualidade de suas cervejas, assim ao mestre cervejeiro Alemão Josef Groll contratado em 1838 por uma cervejaria recém-inaugurada na cidade de Plzeň produziu pela primeira vez uma cerveja de baixa fermentação denominada “Lager”, que apresentava uma cor dourada intensa como se fosse ouro líquido, e uma espuma cremosa de média duração, com notáveis aromas de lúpulo e um sabor bastante acentuado de malte.

Causando assim uma grande reviravolta, pois o mundo da cerveja foi dominado durante muito tempo, principalmente pelas cervejas de alta fermentação, as chamadas “Ales”, e coube a Pilsner Urquell o privilégio de ser a pioneira nesse estilo, que se popularizou tão rápido quanto esvaziamos um copo dessa impressionante delícia gelada. Logo caiu no gosto popular, uma vez que com a popularização dos copos transparentes de cristal ocorrida na mesma época, aquele líquido translúcido e brilhante se tornou agradável inclusive aos olhos.

Para se chamar uma cerveja de Pilsen, é preciso que ela contenha uma água leve e pura, malte de cevada e lúpulos específicos, que a deixe com aroma e sabor levemente floral e amargor equilibrado. Infelizmente aquilo que se popularizou chamar de cerveja Pilsen no Brasil pouco tem a ver com as características da Pilsen original, sendo uma cerveja com pouco aroma e sabor, com o intuito apenas de ser bebida extremamente gelada para matar a sede.

Independente disso, o legado deixado pela Pilsen original é inegável e graças ao fenômeno da globalização, temos diversas opções de Pilsens ao alcance de nossas mãos e bocas. E enquanto finalizo esse texto, vivo o “terrível” dilema de qual Pilsen devo beber logo mais?

Wellington Mercês

Cerveja X Vinho

cerveja-x-vinho

Os amantes de cervejas e vinhos se dividem tanto ou talvez até mais que os torcedores do São Paulo e do Corinthians na cidade de São Paulo! Poucos são os que conseguem dividir esse amor, que conseguem gostar de igual forma dos dois. Por norma, a rivalidade é notória e as pessoas assim se dividem entre uvas e maltes.

Dizem que o vinho é mais sofisticado. Em um jantar mais formal, parece até meio vergonhoso levar umas garrafas de cerveja e não uma chique garrafa de vinho… Mesmo apesar da produção de cerveja geralmente ser tão complexa, da cerveja ser também tão antiga ou de ser mais consumida mundialmente.

O vinho é associado a jantares, a degustações e variedade…enquanto a cerveja é associada a festas, gritarias e simplicidade. Mas, tal como existe vários tipos de uva, existe vários tipos de malte e lúpulos. A variedade de combinações entre tipos de maltes e lúpulos é inimaginável, e dela surge um número absurdo de cervejas que podemos encontrar por este mundo fora.

Longe de mim estar a dizer que a cerveja é melhor que o vinho! Ambos têm os seus encantos! Apenas quero acabar com o preconceito que a cerveja é menos “adulta”, complexa e sofisticada que o vinho. O vinho realmente é uma bebida sem igual, tem diversos benefícios para saúde (comprovados cientificamente!): diminui colesterol ruim, pode diminuir o risco de diabetes, cataratas, câncer do cólon e até diminui as chances de queimaduras solares!!!! Mas sabiam que a cerveja também tem as suas vantagens na saúde?? A cerveja é mais nutritiva, faz os ossos mais fortes, ajuda os rins e diminui a ansiedade, o stress e a sintomas de depressão.

Cada um deles tem as suas vantagens e desvantagens, ambos têm consequências desastrosas quando consumidos exageradamente e ambos merecem ser conhecidos, explorados e nunca diminuídos. Gostos são gostos, sempre haverá os amantes de cerveja que só amam a cerveja e os amantes de vinho que somente amam vinho. Mas se pensarmos na complexidade de cada um, de como cada vinho ou cerveja é feito, de quantos tipos de vinho e cerveja existem, aprendemos a dar valor a ambos e simplesmente brindar às diferenças. Então simplesmente brindemos!

No vinho há sabedoria e na cerveja, liberdade. 
Na água há bactérias. (Benjamin Franklin)

Manu de Lima Gomes

CERVEJA É BEBIDA DE HOMEM!?

mulheres-bebendo-cerveja

Ainda me lembro da minha primeira cerveja: meu time tinha sido campeão (futebol, também para homens, não é?!), um fenômeno que, na época, era algo raro! A festa foi geral!

E eu que, há mais de uma década atrás, gostava de bebidas doces, fáceis de descer na goela: misturava cerveja com Coca-Cola!!

Mas nesse dia, donos de bares decidiram oferecer o Néctar dos Deuses a todos que compartilhavam a sua alegria…e assim bebi a primeira cerveja pura e dura, do início ao fim.

Não vou dizer que foi amor à primeira vista…não, não foi. Mas, depois da terceira, já conseguia ver porque tanta gente se perde nela.

Nessa minha jornada de descoberta da cerveja, uma expressão foi sempre pronunciada em relação a mim “Bebe que nem homem”. Uma expressão que é dita quase inconscientemente, sem ter sequer intenção de expressar a conotação machista que realmente tem.

Ok, biologicamente os homens têm mais capacidade de aguentar álcool, certo. Biologicamente falando, os homens estão programados a aguentar esse tipo de agressões ao corpo. Mas…será somente nisso que pensamos quando proferimos esse tipo de frases? Ou será que, consciente ou inconscientemente, ainda temos esse preconceito, esse machismo, intrínseco em nós?

Dizem que cerveja é bebida de homem, porque tem um sabor mais forte, porque tem um certo amargor que as mulheres por norma não gostam. A maior parte das mulheres (ou pelo menos parte delas) realmente prefere uma bebida mais adocicada, frutada, mais…digamos, leve. Acho isso uma falsa concepção que ainda perpetua em pleno século XXI.

Gosto é gosto, seja de mulher ou homem! Talvez a sociedade imponha uma “adocicação” ao gosto da mulher, por ser o “politicamente correto”, talvez seja algo biológico (mais uma vez a biologia!), talvez seja somente um mito que foi espalhado e as pessoas passaram a levar como verdade…talvez…

Segundo uma pesquisa feita pela Sophia Mind sobre o consumo de álcool entre as mulheres, apenas 47% das mulheres brasileiras consomem bebidas alcoólicas e dessas 47, 88% bebem cerveja. Mas, na mesma pesquisa, 82% acha que beber cerveja não é feminino! Por isso não haverá um machismo relacionado ao assunto até pela parte da mulher?

O certo é que eu sou mulher! Eu adoro cerveja! E tal como eu, várias outras também gostam, também entendem, também sabem apreciar. Tal como eu, esse machismo atolado na sociedade não existe, tal como eu são apaixonadas por essa bebida e cada vez existe mais e mais. E se da próxima vez que pensarmos “bebe que nem homem” dissermos apenas “Bebe como quem realmente gosta!? ”

Manu de Lima Gomes

O Lado urbano na moda Goumert

urbana 2

O “mundo” cerveja invadiu as prateleiras e gondolas… Trazendo muita variedade, estilos e segue num ritmo alucinante de novidades e incrementos, estamos cada vez melhores servidos para qualquer ocasião e acompanhamentos… E agora aquela nossa “cervejinha” perdeu espaço para as cervejas gourmet, que bom!

Para os grandes apreciadores de cerveja e que querem correr um pouco do lado mais sofisticado das palavras e rótulos do mercado a Urbana Cervejaria criou e disponibiliza  agora na rede Santa Joana as cervejas:

  • Gordelícia – Uma Belgian Strong Golden Ale, cerveja de grande corpo e volume, forte intensidade aromática, seus 7,5% de álcool nos proporciona um calor repentino e aconchegante, uma combinação mortal entre seu leve sabor adocicado e sua graduação alcoólica.
  • Sporro – Uma extra Special Bitter, ESB, cerveja de cor âmbar com leve turbidez, uma explosão aromática de caramelo e toques florais. Na boca altamente equilibrada com peso e amargor, muito saborosa e persistente.
  • Refrescadô de safadeza – Session IPA, cerveja de estilo super bem recebido no mercado, coloração âmbar, turva, com boa formação e estabilidade de espuma, um cítrico com tons adocicados que explodem no nariz, cerveja leve e fluente de amargor em equilíbrio com o caráter
  • BOO – American Wheat, cerveja turva de boa formatação e estabilidade de espuma, notas cítricas e um toque de maracujá exuberante, pêssego e lichia. Mais uma cerveja leve e fluente, apesar de ser uma cerveja de trigo, expressa estilo totalmente diferente das cervejas alemãs, sendo o lúpulo seu principal influenciador. Na boca segue seus aromas, macia e final seco.
  • Piscadinha – Session black IPA, cerveja escura que apesar de seus aromas de chocolate amargo, café e toffe é uma cerveja leve, com um amargor bem integrado com corpo e sua fluência, de final de muita persistência.
  • La Sorciere – Belgian IPA, uma cerveja do fruto da escola Belga e Americana, aromas de especiarias e banana vindo da escola belga e seu fermento e maracujá, laranja do lúpulo americano, uma cerveja de alta drinkability e frescor, sem perder sua personalidade e potencia.

Cultura Urbana num alto padrão de qualidade… Urbana Cervejaria!

Com grande satisfação,

André Santos